terça-feira, 11 de abril de 2017

Efemérides do Século XX - 11 de Abril!

Dia importante na História da Companhia 2, o dia 11 de Abril. Completam-se, neste dia, 52 anos do seu regresso de Moçambique. Debaixo de um sol ainda há pouco nascido e à bulha com uma neblina que pairava sobre as águas do Tejo, o paquete Infante D.Henrique abrandou a sua marcha e ouviram-se as sirenes de bordo avisando que ia começar a faina de atracagem. Às 10.00 horas já estava a Companhia formada no cais de Alcântara e pronta a marchar para um novo destino.


Vejam abaixo as efemérides que se comemoram neste dia, em especial a que vem marcada com o número 6.
  1. 1919 — Fundação da Organização Internacional do Trabalho.
  2. 1945 — Segunda Guerra Mundial: as forças norte-americanas libertam o campo de concentração de Buchenwald.
  3. 1951 — Pedra de Scone, a pedra sobre a qual monarcas escoceses eram tradicionalmente coroados, é encontrada no altar da Abadia de Arbroath. Ela havia sido retirada por estudantes nacionalistas escoceses do seu lugar na Abadia de Westminster.
  4. 1963 — O Papa João XXIII publica a Pacem in Terris, a primeira encíclica dirigida a todos, em vez de somente aos católicos.
  5. 1964 — O candidato de consenso Humberto Castelo Branco é eleito presidente do Brasil por uma sessão conjunta do Congresso Nacional.
  6. 1965 – Regresso a Lisboa da Companhia de Fuzileiros Nº 2, depois de uma comissão de 30 meses, em Moçambique.
  7. 1970 — Lançamento da Apollo 13.
  8. 1976 — Criação do computador pessoal Apple I.
  9. 1979 — Deposto o ditador de Uganda, Idi Amin.

7 comentários:

Rafael Souza disse...

Não me lembra se no dia da nossa chagada a Lisboa em de 1965,
se estava sol ou nevoeiro. Mas como o Carlos é um homem que
regista todos os acontecimentos mesmo o estado do tempo nesse
ansioso dia para nós.
Para mim, esta viagem foi às mil maravilhas, não faziamos nada
e comiamos bem e até havia baile! Eu ainda la dancei com uma
senhora com cerca 30 anos que lhe pusemos de alcuna o camafeu.
Mas quando o meu pelotão foi para Moçambique em Dezembro de 1962,
a viagem foi mais atribualda
O avião quadrimotor da Força Aérea, demorou 27 horas:
9 de Lisboa até a Bissau, 9 de Bissau para Luanda, sete de
Luanda para a cidade da Beira- Moçambique, e duas da Cidade da
Beira para Lourenço Marques. Neste nesta última etape um dos
motores do Avião avariou! O qual me causou um grande susto
Dado que o avião desceu pouco nesse momento!



Edumanes disse...

Quando a vida menos boa,
será, portanto, mais ruim
vocês vieram para Lisboa
eu fiquei lá a pisar o capim!

Hipólito disse...

A vida tem destas coisas ... ! Fui um dos que fiz parte da Companhia nº 2 de Fuzileiros e assim regressei a Lisboa, na data em causa, feliz e bem disposto . Por que a lei da vida o permitiu, anos depois, voltei a viajar no Paquete em questão, embora em situação diferente e melhor acomodado ; no entanto, e apesar da melhoria, nada igualou ou superou a satisfação e felicidade, sentidas aquando da primeira viagem ! No decorrer da minha profissão fui várias vezes, nomeadamente : a Moçambique e Angola, assim como à Guiné, S. Tomé e Príncipe, Macau e Timor, pelo que recordo com saudade muito do que por ali passei . Sou dos que considero que África tem encanto e quem a conheceu/conhece, mesmo que longe, já mais a esquecerá e, assim, perpetuar-se-á, para sempre, na sua memória ! Um abraço .

Manuel Alberto Gonçalves disse...

!! de Abril de 1965
Dia memorável, sem dúvida. Não só porque terminava uma etapa das nossas vidas, num ambiente colectivo e de uma missão que era comum a todos os intervenientes, desde a praça rasa até ao mais alto graduado, cabendo a cada um determinado papel e (naquele preciso momento) era o primeiro dia do resto das nossas vidas. Para uns era o fim de uma grande tensão, na exacta medida que não se sabia bem o que se andava a fazer e o que iria acontecer, por isso era preciso tirar novos azimutes para trilhar outros caminhos, já que aqueles eram tão espinhosos, tão conturbados com a agravante de não haver um sentido plausível. Portanto, é bom recordar, é sinal de que estamos vivos, mas será uma etapa que, quer se queira quer não, marcou uma geração. Desejo melhor sorte aos nossos filhos e aos nossos netos, mas duvido, porque há por aí certos TRUMPs que só têm trampa na cabeça e isso pode custar muito caro à humanidade. Um abraço para todos os filhos da escola que ainda têm a sorte de pertencer ao club dos vivos.
Manuel Gonçalves - o 16737.

J. Rosa Silva disse...

Em primeiro lugar quero felicitar o Blogger pela publicação da efeméride que, quanto a mim passou-me completamente ao lado a lembrança deste dia que recordo vagamente. O que me ficou guardado na minha cabeça foi a chatice que tive neste dia de desembarque com o levantamento dum caixote com uma arca de cânfora, estando esta cheia de várias objetos enão é que os tipos da Alfândega queria-me cobrar alguns cobres por isso. Foi preciso andar de Herodes para Pilatos até conseguir desalfandegar o dito caixote sem pagar mas só depois de revistar todo o seu conteúdo. Recordo a formatura no cais e a minha admiração pela estrutura da construção da Ponte que já se visualizava.
Um abraço.

Manuel Ladeira disse...

Felizmente que temos o Carlos para manter acesa a nossa memória . O 11 de Abril de 1965 foi um dia memorável para todos nós, mas ..., não devo estar errado ..., muito mais para as nossas mães e pais que tanto sofreram com a nossa ausência em terras tão distantes, desconhecidas e em guerra , muitas vezes sem notícias dos seus filhos .
Um abraço

Tintinaine disse...

Mais uns quantos comentários no Facebook e ainda um telefonema do Xabregas!
Podia ser pior!